Imagem para ajuda à Ucrânia

TÓPICO: ajuda à Ucrânia

Os tópicos LifeLine™ Media usam nossos algoritmos sofisticados para construir um tópico sobre qualquer tópico que você desejar, fornecendo uma linha do tempo detalhada, análises e artigos relacionados.

Marcas de vibração

O que o mundo está dizendo!

. . .

Linha do tempo de notícias

Seta para cima azul
Autoridades dos EUA, do Reino Unido e da Europa disseram que pressionar Israel a deixar mais Gaza ...

AJUDA DOS EUA FINALMENTE chega a Gaza em meio à ofensiva israelense

- Caminhões que transportam ajuda vital para Gaza cruzaram um novo cais dos EUA na sexta-feira, apesar das restrições na fronteira israelense e do conflito em curso. Isto marca a primeira entrega numa operação que pode chegar a 150 camiões por dia, enquanto Israel continua a sua ofensiva de sete meses contra o Hamas em Rafah. O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, confirmou que “mais de 300 paletes” de ajuda foram entregues à ONU para distribuição, alguns já se deslocando para Gaza.

No entanto, os EUA, a ONU e grupos de ajuda advertem que este projecto de cais flutuante não pode substituir as entregas terrestres necessárias para o abastecimento suficiente de alimentos, água e combustível em Gaza. Antes da guerra, entravam em média mais de 500 caminhões diariamente. A operação enfrenta riscos de ataques militantes e desafios logísticos em meio a uma grave escassez de combustível causada pelo bloqueio de Israel desde o ataque do Hamas, em 7 de outubro, ao sul de Israel, que matou 1,200 pessoas e fez 250 reféns.

A ofensiva israelita resultou em mais de 35,000 mortes palestinianas em Gaza, segundo autoridades de saúde locais, com centenas de mortes na Cisjordânia. Agências humanitárias relatam diminuição do abastecimento de alimentos no sul de Gaza, enquanto a fome atinge o norte do território, de acordo com fontes dos EUA e da ONU.;

UCRÂNIA SE DEFENDE Contra o Ataque Russo em Kharkiv

UCRÂNIA SE DEFENDE Contra o Ataque Russo em Kharkiv

- As tropas ucranianas resistiram a um ataque militar russo em Kharkiv. O presidente Volodymyr Zelenskyy descreveu o conflito como intenso, com a Rússia usando mísseis, drones e artilharia. A Casa Branca apoia firmemente a capacidade da Ucrânia de suportar estes ataques.

Fontes militares russas disseram que visavam depósitos de munição e tropas ucranianas. No entanto, o líder regional de Kharkiv, Oleh Syniehubov, confirmou que as suas forças mantinham o controlo de todo o território. Ele observou que os batedores russos tentaram entrar na Ucrânia, mas foram repelidos com sucesso.

A União Europeia está a pensar em utilizar o dinheiro dos activos russos congelados para ajudar a Ucrânia durante este período difícil. Este plano fortaleceria as defesas ucranianas e ajudaria na sua recuperação à medida que a situação piorasse na área.

Esta medida da UE poderia proporcionar um apoio crucial à Ucrânia, ao mesmo tempo que colocaria pressão adicional sobre a Rússia, ao direcionar os seus recursos financeiros.

Viagens na Rússia - Lonely Planet Europe

Alerta nuclear da RÚSSIA: instalações militares do Reino Unido na mira em meio a tensões crescentes

- A Rússia aumentou as tensões ao ameaçar atingir bases militares do Reino Unido. Esta postura agressiva surge na sequência da decisão da Grã-Bretanha de fornecer armas à Ucrânia, que a Rússia alega terem sido utilizadas contra o seu território. Esta ameaça surge enquanto a Rússia se prepara para a tomada de posse do quinto mandato do Presidente Vladimir Putin e para as celebrações nacionais do Dia da Vitória.

Numa resposta ousada ao que descreve como provocações ocidentais, a Rússia está preparada para realizar exercícios militares que simulam o uso de armas nucleares tácticas. Estes exercícios são únicos porque se concentram nas capacidades nucleares do campo de batalha, ao contrário das manobras típicas que envolvem forças nucleares estratégicas. As armas nucleares táticas destinam-se a um impacto localizado, minimizando uma destruição mais ampla.

A comunidade global expressou profunda preocupação com estes desenvolvimentos. O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, expressou preocupação com o crescente debate sobre a utilização de armas nucleares, descrevendo os riscos actuais como “alarmantemente elevados”. Ele enfatizou a necessidade de as nações se absterem de ações que possam levar a erros de julgamento ou consequências catastróficas.

Estes acontecimentos sublinham um momento crítico nas relações internacionais, destacando o delicado equilíbrio entre a defesa nacional e as ameaças à segurança global. A situação exige um envolvimento diplomático cuidadoso e uma reavaliação das estratégias militares por parte de todas as nações envolvidas para evitar uma nova escalada de tensões.

Banner da Operação - Wikipédia

AS TROPAS DO Reino Unido poderão em breve entregar ajuda crítica em Gaza

- As forças britânicas poderão em breve unir esforços para entregar ajuda a Gaza através de um novo cais offshore construído pelos militares dos EUA. Relatórios da BBC sugerem que o governo do Reino Unido está a considerar esta medida, que envolveria o transporte de tropas do cais para a costa através de uma ponte flutuante. No entanto, uma decisão final sobre esta iniciativa ainda não foi tomada.

A ideia do envolvimento britânico continua em consideração e não foi proposta oficialmente ao primeiro-ministro Rishi Sunak, segundo fontes citadas pela BBC. Isto ocorre depois de um alto oficial militar dos EUA ter declarado que o pessoal americano não estaria estacionado no terreno para esta operação, abrindo potencialmente oportunidades para as forças britânicas.

O Reino Unido está a contribuir significativamente para a construção do cais com um navio da Marinha Real que irá albergar centenas de soldados e marinheiros norte-americanos envolvidos neste projecto. Os planeadores militares britânicos estão activamente empenhados tanto na Florida, no Comando Central dos EUA, como em Chipre, onde a ajuda será analisada antes de ser enviada para Gaza.

O Secretário da Defesa do Reino Unido, Grant Shapps, sublinhou a importância de criar rotas adicionais de ajuda humanitária para Gaza, sublinhando os esforços de colaboração com os EUA e outros parceiros internacionais destinados a facilitar estas entregas cruciais.

RECORDE DE ajuda militar do Reino Unido à UCRÂNIA: uma posição ousada contra a agressão russa

RECORDE DE ajuda militar do Reino Unido à UCRÂNIA: uma posição ousada contra a agressão russa

- A Grã-Bretanha revelou o seu maior pacote de ajuda militar para a Ucrânia, totalizando 500 milhões de libras. Este impulso significativo aumenta o apoio total do Reino Unido para 3 mil milhões de libras para o atual exercício financeiro. O pacote abrangente inclui 60 barcos, 400 veículos, mais de 1,600 mísseis e quase quatro milhões de cartuchos de munição.

O primeiro-ministro Rishi Sunak sublinhou o papel crítico do apoio à Ucrânia no cenário de segurança da Europa. “Defender a Ucrânia contra as ambições brutais da Rússia é crucial não apenas para a sua soberania, mas também para a segurança de todas as nações europeias”, observou Sunak antes das suas discussões com os líderes europeus e o chefe da NATO. Ele advertiu que uma vitória de Putin também poderia representar ameaças aos territórios da OTAN.

O secretário da Defesa, Grant Shapps, enfatizou como esta ajuda sem precedentes reforçaria as capacidades de defesa da Ucrânia contra os avanços russos. “Este pacote recorde irá dotar o Presidente Zelenskiy e a sua corajosa nação de recursos essenciais para repelir Putin e trazer de volta a paz e a estabilidade à Europa”, afirmou Shapps, reafirmando a dedicação da Grã-Bretanha aos seus aliados da NATO e à segurança europeia em geral.

Shapps sublinhou ainda o compromisso inabalável da Grã-Bretanha em apoiar os seus aliados, reforçando a força militar da Ucrânia, que é vital para manter a estabilidade regional e dissuadir futuras agressões da Rússia.

Aviso de ZELENSKY: Apoie a Ucrânia ou enfrente o domínio russo

Aviso de ZELENSKY: Apoie a Ucrânia ou enfrente o domínio russo

- O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, transmitiu uma mensagem clara ao Congresso dos EUA: sem mais ajuda militar, a Ucrânia poderá perder para a Rússia. Nas discussões com o presidente da Câmara, Mike Johnson, Zelensky argumentará contra qualquer hesitação em fornecer os fundos necessários para combater as forças de Moscovo. Este apelo surge apesar de a Ucrânia já ter recebido mais de 113 mil milhões de dólares em ajuda de Kiev.

Zelensky pede mais milhares de milhões, mas alguns republicanos da Câmara estão hesitantes. Ele alerta que sem apoio adicional, a luta da Ucrânia torna-se “difícil”. O atraso no Congresso não só coloca em risco a força ucraniana, mas também desafia os esforços mundiais para combater a hostilidade russa.

No 120º aniversário da aliança Entente Cordiale, líderes da Grã-Bretanha e da França juntaram-se ao apelo de Zelensky por apoio. Lord Cameron e Stéphane Séjourné sublinharam que satisfazer os pedidos da Ucrânia é crucial para manter a segurança global e impedir que a Rússia ganhe mais terreno. O seu acordo mostra como as decisões dos EUA são vitais para a paz e a estabilidade internacionais.

Ao apoiar a Ucrânia, o Congresso pode enviar uma mensagem forte contra a agressão e proteger os valores democráticos em todo o mundo. A escolha é difícil: fornecer a ajuda necessária ou correr o risco de permitir uma vitória russa que poderia desestabilizar a ordem global e minar os esforços para promover a liberdade e a democracia através das fronteiras.

Esperanças supostamente desaparecendo para acalmar os combates em Gaza antes ...

Ataque aéreo israelense TRAGICAMENTE ceifa vidas de trabalhadores humanitários internacionais: reveladas as consequências CHOCANTES

- Na noite de segunda-feira, um ataque aéreo israelense ceifou a vida de quatro trabalhadores humanitários internacionais e de seu motorista palestino. Estes indivíduos, associados à instituição de caridade World Central Kitchen, tinham acabado de concluir uma entrega de alimentos no norte de Gaza. Esta região está à beira da fome devido às ações militares de Israel.

As vítimas foram identificadas no Hospital dos Mártires de Al-Aqsa, em Deir al-Balah. Entre eles estavam portadores de passaportes da Grã-Bretanha, Austrália e Polónia. A nacionalidade da quarta vítima permanece desconhecida neste momento. Eles foram descobertos usando equipamentos de proteção com o logotipo de sua instituição de caridade.

Em resposta a este infeliz acontecimento, os militares israelitas lançaram uma revisão para compreender o que levou a este incidente. Simultaneamente, a World Central Kitchen anunciou a sua intenção de divulgar mais informações assim que todos os factos forem recolhidos.

Este último acontecimento acrescenta outra camada de tensão em Gaza e levanta questões sobre medidas de segurança para aqueles que prestam ajuda em zonas de conflito.

Guerra na Europa enquanto a Rússia ataca a Ucrânia Vanity Fair

O ataque sem precedentes da RÚSSIA: o setor energético da Ucrânia é devastado e ocorrem interrupções generalizadas

- Num movimento chocante, a Rússia lançou um ataque colossal à infra-estrutura de energia eléctrica da Ucrânia, visando, entre outras, a central hidroeléctrica mais importante do país. Este ataque levou a cortes de energia abrangentes e ceifou pelo menos três vidas, conforme confirmado pelas autoridades nesta sexta-feira.

O Ministro da Energia da Ucrânia, German Galushchenko, pintou um quadro sombrio da situação, descrevendo os ataques de drones e foguetes como “o ataque mais severo ao sector energético ucraniano na história recente”. Ele especulou que a Rússia pretendia infligir perturbações substanciais ao sistema energético da Ucrânia, semelhantes aos acontecimentos do ano passado.

A Central Hidroeléctrica de Dnipro — um importante fornecedor de electricidade para a maior instalação de energia nuclear da Europa — a Central Nuclear de Zaporizhzhia foi incendiada devido a estes ataques. A linha de energia primária de 750 quilovolts foi cortada, enquanto uma linha de backup de menor potência permanece funcional. Apesar da ocupação russa e das contínuas escaramuças em torno da central, as autoridades asseguram que não há ameaça imediata de um desastre nuclear.

Felizmente, a barragem da central hidroeléctrica manteve-se forte contra estes ataques, evitando potenciais inundações catastróficas que lembram o ano passado, quando a barragem de Kakhovka cedeu. No entanto, este ataque russo não ocorreu sem custos humanos – uma pessoa perdeu a vida e pelo menos oito ficaram feridas.

Guerra na Europa enquanto a Rússia ataca a Ucrânia Vanity Fair

RÚSSIA DESENVOLVE Ataque Devastador ao Setor Energético Ucraniano: As Consequências Chocantes

- A Rússia iniciou um ataque severo à infra-estrutura energética da Ucrânia. Este ataque levou a cortes generalizados de energia e ceifou a vida de pelo menos três pessoas. A ofensiva, conduzida durante a noite com recurso a drones e foguetes, teve como alvo numerosas instalações energéticas, incluindo a maior central hidroeléctrica da Ucrânia.

A Central Hidrelétrica Dnipro foi uma das atingidas durante os ataques. Esta estação fornece eletricidade à maior central nuclear da Europa – a Central Nuclear de Zaporizhzhia. A linha principal de 750 quilovolts que liga estas duas instalações vitais foi cortada durante o ataque, segundo o chefe da Agência Internacional de Energia Atómica, Rafael Grossi. No entanto, uma linha de backup de menor consumo de energia está funcionando atualmente.

A Central Nuclear de Zaporizhzhia está sob controlo russo e tem sido uma preocupação constante devido a potenciais acidentes nucleares no meio de conflitos contínuos. Apesar desta situação alarmante, a autoridade hidroeléctrica da Ucrânia assegura que não há ameaça imediata de ruptura da barragem na Central Hidroeléctrica de Dnipro.

Uma violação poderia não só interromper o fornecimento à central nuclear, mas também potencialmente provocar graves inundações semelhantes ao incidente do ano passado, quando uma grande barragem em Kakhovka ruiu. Ivan Fedorov, governador regional de Zaporizhzhia, relatou uma morte e pelo menos oito feridos resultantes das ações agressivas da Rússia.

Eslováquia Ucrânia

A queda da UCRÂNIA: a chocante história interna da derrota ucraniana mais devastadora em um ano

- ESLOVIANSK, Ucrânia – Os soldados ucranianos encontraram-se numa batalha implacável, defendendo o mesmo bloco industrial durante meses sem qualquer alívio. Em Avdiivka, as tropas estiveram estacionadas durante quase dois anos de guerra sem qualquer sinal de substituição.

À medida que a munição diminuía e os ataques aéreos russos se intensificavam, mesmo as posições fortificadas não estavam a salvo de “bombas planadoras” avançadas.

As forças russas lançaram um ataque estratégico. Primeiro enviaram soldados ligeiramente armados para esgotar as reservas de munições da Ucrânia antes de enviarem as suas tropas bem treinadas. Forças especiais e sabotadores organizaram emboscadas em túneis, aumentando o caos. Durante esta turbulência, um comandante de batalhão desapareceu misteriosamente, de acordo com documentos policiais vistos pela Associated Press.

Em menos de uma semana, a Ucrânia perdeu Avdiivka – uma cidade que tinha sido defendida muito antes do início da invasão em grande escala da Rússia. Em menor número e quase cercados, eles escolheram a retirada em vez de enfrentar outro cerco mortal como o de Mariupol, onde milhares de soldados foram capturados ou mortos. Dez soldados ucranianos entrevistados pela Associated Press pintaram um quadro sombrio de como a diminuição dos suprimentos, o número esmagador de forças russas e a má gestão militar levaram a esta derrota catastrófica.

Viktor Biliak é um soldado de infantaria da 110ª Brigada que está estacionado desde março de 2022 e disse que

Soldados ESCONDIDOS do Reino Unido e da França na Ucrânia: a Alemanha acidentalmente derrama o feijão

Soldados ESCONDIDOS do Reino Unido e da França na Ucrânia: a Alemanha acidentalmente derrama o feijão

- Numa surpreendente reviravolta nos acontecimentos, o Chanceler alemão Olaf Scholz revelou involuntariamente que tanto o Reino Unido como a França têm tropas estacionadas na Ucrânia. Esta revelação surgiu quando ele defendeu a sua decisão de não fornecer à Ucrânia mísseis de cruzeiro Taurus. De acordo com Scholz, estas tropas estão a supervisionar a implantação dos mísseis de longo alcance dos seus países em solo ucraniano. Os seus comentários sugerem um receio de uma escalada das tensões com a Rússia.

Após a revelação inesperada de Scholz, surgiu uma gravação de áudio vazada com oficiais militares alemães de alto escalão, confirmando o envolvimento ativo de soldados britânicos na Ucrânia. A gravação sugere que as forças britânicas estão a ajudar os ucranianos a apontar e disparar mísseis fornecidos pelo Reino Unido contra alvos russos específicos. Embora o Ministério da Defesa alemão tenha verificado a autenticidade desta gravação, deixou algumas questões sem resposta sobre a potencial edição antes da sua divulgação pela Rússia.

Apesar de não contestar a legitimidade deste áudio vazado, Berlim tentou minimizá-lo como “desinformação” russa. Miguel Berger, embaixador da Alemanha na Grã-Bretanha, descreveu-o como “um ataque híbrido russo” concebido para desestabilizar os aliados ocidentais. Berger afirmou que “não há necessidade de desculpas” nem ao Reino Unido nem à França.

Esta divulgação imprevista levanta questões sobre o envolvimento ocidental na Ucrânia para além da protecção diplomática e sublinha a abordagem prudente da Alemanha relativamente ao envolvimento militar directo com a Rússia.

Pontos de interesse, mapa, fatos e história de Kiev Britannica

Reunião emocionante da família ucraniana após pesadelo de cativeiro russo de dois anos

- Kateryna Dmytryk e seu filho pequeno, Timur, tiveram um reencontro alegre com Artem Dmytryk após quase dois anos de separação. Artem foi mantido em cativeiro na Rússia durante a maior parte desse tempo e finalmente conseguiu encontrar sua família fora de um hospital militar em Kiev, na Ucrânia.

A guerra iniciada pela Rússia alterou dramaticamente a vida de inúmeros ucranianos como os Dmytryks. A nação divide agora a sua história em dois períodos: antes e depois de 24 de fevereiro de 2022. Durante este período, milhares de pessoas sofreram pela perda de entes queridos, enquanto milhões foram obrigados a deixar as suas casas para trás.

Com mais de um quarto das terras da Ucrânia sob controlo russo, o país está imerso numa guerra extenuante. Mesmo que a paz seja eventualmente alcançada, as consequências deste conflito perturbarão a vida das gerações futuras.

Kateryna reconhece que a recuperação destes traumas levará um tempo considerável, mas permite-se um breve momento de felicidade durante este reencontro. Apesar de suportar graves dificuldades, o espírito ucraniano permanece resiliente.

EUA planejam anúncio de ajuda de US$ 325 milhões à Ucrânia para visita de Zelenskiy ...

Triunfos do SENADO: Pacote de ajuda de US$ 953 bilhões aprovado apesar das divisões do Partido Republicano

- O Senado, numa medida significativa na manhã de terça-feira, aprovou um pacote de ajuda de 95.3 mil milhões de dólares. Este apoio financeiro substancial destina-se à Ucrânia, Israel e Taiwan. A decisão surge apesar das difíceis negociações que duraram meses e das crescentes divisões políticas dentro do Partido Republicano sobre o papel internacional da América.

Um seleto grupo de republicanos ocupou o plenário do Senado durante toda a noite em oposição aos US$ 60 bilhões destinados à Ucrânia. O argumento deles? Os EUA deveriam primeiro abordar as suas questões internas antes de afectarem mais fundos ao exterior.

No entanto, 22 republicanos juntaram-se a quase todos os democratas para aprovar o pacote com uma contagem de 70-29 votos. Os apoiantes argumentaram que ignorar a Ucrânia poderia potencialmente fortalecer a posição do presidente russo, Vladimir Putin, e representar ameaças à segurança nacional global.

Apesar desta vitória no Senado com forte apoio do Partido Republicano, a incerteza paira sobre o futuro do projeto de lei na Câmara, onde os republicanos linha-dura alinhados com o ex-presidente Donald Trump se opõem a ele.

A reviravolta chocante de JOHNSON: revela plano separado de projeto de lei de ajuda a Israel

A reviravolta chocante de JOHNSON: revela plano separado de projeto de lei de ajuda a Israel

- Numa reviravolta surpreendente, Johnson revelou um plano para separar a ajuda a Israel. Esta mudança inesperada, divulgada numa carta no sábado aos seus colegas, marca uma mudança dramática em relação à sua posição anterior.

Sob a liderança de Johnson, no ano passado, a Câmara aprovou uma lei colossal de 14.3 biliões de dólares para apoiar Israel no seu conflito com o Hamas. O financiamento foi equilibrado com um corte equivalente no financiamento do IRS, mas ainda aguarda consideração do Senado.

No entanto, parece que o Senado está a preparar-se para examinar um pacote de ajuda mais abrangente este ano. Isto inclui ajuda substancial a Israel, Ucrânia e Taiwan, juntamente com um acordo fronteiriço não divulgado.

Apesar das dúvidas sobre o destino do projecto de lei sobre fronteiras e ajuda externa no Senado, as recentes manobras de Johnson sugerem possibilidades promissoras de assistência adicional a Israel.

Enviados da ONU dizem 'basta' à guerra em viagem à fronteira de Gaza Reuters

Chefe da ONU PEDE ajuda dos EUA a Gaza, apesar da controvérsia do HAMAS

- Antonio Guterres, o Secretário-Geral das Nações Unidas, apelou aos Estados Unidos e a outros países para que continuem a financiar a Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas (UNRWA). A UNRWA é uma organização de ajuda crucial em Gaza. Este apelo surge no momento em que Israel acusa vários funcionários da UNRWA de participarem num ataque do Hamas que desencadeou uma guerra e criou uma instabilidade mortal em todo o Médio Oriente.

O Presidente Joe Biden relatou recentemente as primeiras baixas militares dos EUA nesta região desde o início das hostilidades, atribuindo-as aos ataques de drones por milícias apoiadas pelo Irão perto da fronteira da Jordânia com a Síria. Paralelamente, as autoridades norte-americanas estariam perto de chegar a um acordo de cessar-fogo que poderá pôr fim a dois meses de intenso conflito israelo-palestiniano, que alegadamente ceifou mais de 26,000 vidas palestinas, segundo as autoridades de saúde locais.

Guterres advertiu que se o financiamento não for retomado em breve, a UNRWA poderá ter de reduzir a ajuda a mais de 2 milhões de palestinianos que vivem em Gaza já em Fevereiro, devido a uma crise humanitária crescente, incluindo potenciais riscos de fome para um quarto da sua população. Salientou que, embora os implicados em alegadas más condutas devam enfrentar a justiça, isso não deve resultar em punição para outros trabalhadores humanitários ou obstruir a prestação de ajuda às populações desesperadas que servem.

Guterres confirmou que nove dos doze funcionários acusados ​​foram imediatamente demitidos, enquanto um foi

O presidente Noboa despreza a ajuda de Maduro e, em vez disso, procura corajosamente a ajuda dos EUA

O presidente Noboa despreza a ajuda de Maduro e, em vez disso, procura corajosamente a ajuda dos EUA

- O líder do Equador, o presidente Noboa, rejeitou decisivamente uma oferta de apoio do venezuelano Nicolás Maduro. Em vez disso, optou por procurar ajuda dos Estados Unidos. Esta decisão segue a sugestão de Maduro de que Noboa deveria aceitar a sua ajuda em vez de sucumbir ao que ele chama de “intervencionismo” e “colonialismo” do Comando Sul dos EUA.

Durante uma entrevista recente na terça-feira, Noboa respondeu à proposta de Maduro com um firme “Obrigado, mas não, obrigado”. Ele esclareceu que a sua decisão não se baseou em desentendimentos pessoais com Maduro, mas resultou da necessidade de abordar questões urgentes dentro do seu próprio país.

No início desta semana, o Presidente Noboa conversou com autoridades dos EUA sobre potenciais colaborações de segurança. Ele procurou armas, tecnologia e formação para as forças de segurança do Equador junto dos EUA, ao mesmo tempo que explorou opções para refinanciar a dívida externa do Equador.

Apesar das advertências de Maduro sobre convidar o “diabo” para o Equador – referindo-se indirectamente aos Estados Unidos – e apesar das críticas internas sobre as suas políticas anti-gangues, o Presidente Noboa permanece inabalável na sua busca pela ajuda americana.

Sobrevivente da GUERRA DA UCRÂNIA: a jornada comovente do raro urso negro para a segurança na Escócia

Sobrevivente da GUERRA DA UCRÂNIA: a jornada comovente do raro urso negro para a segurança na Escócia

- Um raro urso negro, sobrevivente da guerra na Ucrânia, encontrou um novo lar na Escócia. O urso de 12 anos, chamado Yampil em homenagem ao vilarejo onde foi descoberto entre as ruínas de um zoológico particular bombardeado, chegou na sexta-feira.

Yampil foi um dos poucos sobreviventes encontrados pelas tropas ucranianas que recapturaram a cidade de Lyman durante uma contra-ofensiva no outono de 2022. O urso sofreu uma concussão causada por estilhaços próximos, mas sobreviveu milagrosamente.

O zoológico abandonado onde Yampil foi descoberto viu a maioria dos animais morrer de fome, sede ou ferimentos causados ​​por balas e estilhaços. Após seu resgate, Yampil embarcou em uma odisséia que o levou a Kiev para cuidados veterinários e reabilitação.

De Kiev, Yampil viajou para zoológicos na Polônia e na Bélgica antes de finalmente encontrar refúgio em sua nova casa na Escócia.

Sobrevivente da GUERRA DA UCRÂNIA: a jornada milagrosa do raro urso negro para a segurança na Escócia

Sobrevivente da GUERRA DA UCRÂNIA: a jornada milagrosa do raro urso negro para a segurança na Escócia

- Numa reviravolta surpreendente, Yampil, um raro urso negro que sobreviveu à guerra na Ucrânia, encontrou um novo lar na Escócia. As tropas ucranianas descobriram Yampil entre os destroços de um zoológico particular em Donetsk. O urso de 12 anos estava entre os poucos sobreviventes quando o zoológico foi bombardeado e abandonado.

A jornada de Yampil para a segurança é nada menos que uma odisseia épica. Os soldados o encontraram durante a contra-ofensiva de Kharkiv em 2022. Ele foi então transferido para Kiev para cuidados veterinários e reabilitação. A sua viagem continuou pela Polónia e Bélgica antes de finalmente chegar à sua nova casa na Escócia.

A sobrevivência de Yampil é considerada milagrosa, pois ele sofreu uma concussão devido a um bombardeio nas proximidades, enquanto a maioria dos outros animais do zoológico morreram de fome, sede ou foram atingidos por balas ou estilhaços. Yegor Yakovlev, da Save Wild, disse que seus lutadores inicialmente não sabiam como ajudá-lo, mas começaram a buscar opções de resgate.

Yakovlev também lidera o White Rock Bear Shelter, onde Yampil se recuperou antes de embarcar em sua jornada pela Europa. O urso refugiado chegou no dia 12 de janeiro, marcando o fim da sua perigosa jornada e proporcionando esperança em meio ao conflito em curso.

A administração Biden ignora o Congresso nas vendas de armas a Israel ...

Venda de armas de EMERGÊNCIA para Israel: movimento ousado de BIDEN em meio ao impasse da ajuda externa

- Mais uma vez, a administração Biden deu luz verde à venda emergencial de armas a Israel. O Departamento de Estado fez este anúncio na sexta-feira, afirmando que a medida visa apoiar Israel no seu conflito em curso com o Hamas em Gaza.

O secretário de Estado Antony Blinken notificou o Congresso sobre uma segunda determinação de emergência que aprova mais de US$ 147.5 milhões em vendas de equipamentos. Estas vendas abrangem componentes necessários para munições de 155 mm anteriormente compradas por Israel, incluindo fusíveis, cargas e escorvadores.

Esta decisão foi executada ao abrigo de uma disposição emergencial da Lei de Controlo de Exportação de Armas. Esta disposição permite ao Departamento de Estado contornar o papel de revisão do Congresso no que diz respeito às vendas militares estrangeiras. Curiosamente, esta medida coincide com o pedido do Presidente Joe Biden de quase 106 mil milhões de dólares em ajuda a países como Israel e a Ucrânia, que está retido devido a debates sobre a gestão da segurança das fronteiras.

“Os Estados Unidos continuam empenhados em garantir a segurança de Israel contra as ameaças que encontra”, declarou o departamento.

Golpe esmagador da UCRÂNIA: navio de guerra russo dizimado por ataque com mísseis lançados do ar

Golpe esmagador da UCRÂNIA: navio de guerra russo dizimado por ataque com mísseis lançados do ar

- No dia de Natal, a Ucrânia demonstrou o seu formidável poderio militar. O país reivindicou uma vitória significativa, dizendo ter aniquilado outro navio de guerra russo, o Novocherkassk da classe Ropucha, usando um míssil de cruzeiro lançado do ar. A Rússia confirmou o ataque ao seu navio de desembarque na década de 1980, que é comparável em tamanho ao navio de guerra da classe Freedom, fabricado nos EUA. Eles relataram uma vítima deste ataque.

O Tenente General Mykola Oleshchuk, da Força Aérea Ucraniana, elogiou o desempenho excepcional de seus pilotos. Ele observou que a frota naval da Rússia continua a diminuir de tamanho.

Yurii Ihnat, porta-voz das forças armadas ucranianas, revelou mais detalhes sobre este ataque. Ele revelou que os caças lançaram uma saraivada de mísseis de cruzeiro anglo-franceses Storm Shadow/SCALP contra seu alvo. O objetivo deles era que pelo menos um míssil contornasse com sucesso as defesas aéreas russas. A magnitude da explosão resultante indicou que a munição a bordo provavelmente detonou.

A mídia estatal ucraniana divulgou imagens supostamente mostrando uma enorme explosão e uma enorme coluna de fogo após o ataque inicial – evidências sugerindo munição a bordo

Cameron, do Reino Unido, mantém-se firme na Ucrânia e dissipa dúvidas sobre o esforço de guerra

Cameron, do Reino Unido, mantém-se firme na Ucrânia e dissipa dúvidas sobre o esforço de guerra

- O antigo primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, defendeu vigorosamente a posição da Ucrânia contra a Rússia. Durante uma conversa com Jennifer Griffin da Fox News no Fórum de Segurança de Aspen, ele sublinhou que não só o esforço de guerra da Ucrânia se mantém forte, mas também tem um impacto positivo na economia dos EUA.

Cameron rebateu o ceticismo republicano sobre o apoio à Ucrânia. Ele argumentou que a ajuda financeira enviada ao país está sendo utilizada de forma eficiente e eficaz. Como prova, destacou o sucesso da Ucrânia na neutralização de uma parte significativa da frota de helicópteros da Rússia e no afundamento dos seus navios de guerra no Mar Negro.

Ele enfatizou a necessidade de apoiar uma nação soberana na sua autodefesa sem entrar em conflito directo com as forças russas – o que ele chamou de “linha vermelha” envolvendo soldados da OTAN. Além disso, Cameron refutou as alegações de que a contra-ofensiva da Ucrânia não teve sucesso em impedir a invasão da Rússia.

Os seus comentários surgem no meio de debates crescentes sobre o apoio dos EUA à Ucrânia e de dúvidas levantadas por alguns republicanos relativamente à eficácia da ajuda prestada a esta nação da Europa de Leste.

IMERSÃO DE INGLÊS

Compromisso de STOLTENBERG: OTAN doa colossais US$ 25 bilhões em munições para a Ucrânia em meio às tensões russas

- O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, reuniram-se na quinta-feira, em meio às crescentes tensões com a Rússia. A reunião ocorreu na sequência das alegações da Rússia de que os aliados ocidentais da Ucrânia ajudaram num recente ataque com mísseis à base da Frota do Mar Negro na Crimeia.

Zelenskyy partilhou que Stoltenberg se comprometeu a ajudar a Ucrânia a garantir mais sistemas de defesa aérea. Estes são vitais para salvaguardar as centrais eléctricas e a infra-estrutura energética do país, que foram duramente atingidas durante os ataques agressivos da Rússia no Inverno passado.

Stoltenberg revelou contratos da NATO num total de 2.4 mil milhões de euros (2.5 mil milhões de dólares) para fornecimentos de munições destinadas à Ucrânia, incluindo obuses e mísseis guiados antitanque. Ele sublinhou: “Quanto mais forte a Ucrânia se torna, mais perto estaremos de travar a agressão da Rússia”.

Na quarta-feira, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria Zakharova, alegou que recursos dos EUA, Reino Unido e NATO facilitaram o ataque ao quartel-general da Frota do Mar Negro. No entanto, estas alegações permanecem sem provas concretas.

AJUDA DOS EUA À UCRÂNIA: O compromisso de Biden enfrenta aumento de resistência - como os americanos realmente se sentem

AJUDA DOS EUA À UCRÂNIA: O compromisso de Biden enfrenta aumento de resistência - como os americanos realmente se sentem

- O apelo do Presidente Biden para uma ajuda sustentada à Ucrânia, anunciado na Assembleia Geral das Nações Unidas, está a encontrar uma resistência crescente nos EUA. A administração está a pressionar por mais 24 mil milhões de dólares em ajuda à Ucrânia até ao final deste ano. Isto aumentaria a assistência total para colossais 135 mil milhões de dólares desde o início do conflito em Fevereiro de 2022.

No entanto, uma sondagem da CNN realizada em Agosto revela que a maioria dos americanos se opõe a mais ajuda à Ucrânia. O tópico tornou-se cada vez mais polêmico ao longo do tempo. Além disso, apesar do apoio e treino ocidentais, a tão alardeada contra-ofensiva da Ucrânia não rendeu vitórias significativas.

Uma pesquisa do Wall Street Journal no início deste mês revelou que mais da metade dos eleitores americanos – 52% – desaprovam a forma como Biden lidou com a situação ucraniana – um aumento em relação aos 46% em 22 de março. está a ser investido na ajuda à Ucrânia, enquanto apenas cerca de um quinto considera que não está a ser feito o suficiente.

MUDANÇA DE ALIANÇAS: O líder pró-Rússia da Eslováquia promete reverter o apoio à Ucrânia

- Robert Fico, ex-primeiro-ministro da Eslováquia, está atualmente liderando a corrida para as próximas eleições de 30 de setembro. Conhecido pelas suas opiniões pró-russas e antiamericanas, Fico prometeu retirar o apoio da Eslováquia à Ucrânia se recuperar o poder. Prevê-se que o seu partido, o Smer, triunfe nas eleições parlamentares antecipadas. Isto poderia representar um desafio tanto para a União Europeia como para a NATO.

O potencial regresso de Fico reflecte uma tendência mais ampla na Europa, onde os partidos populistas céticos quanto à intervenção na Ucrânia estão a ganhar impulso. Países como a Alemanha, França, Espanha e Hungria testemunharam um apoio significativo a estes partidos, o que poderá afastar o sentimento público de Kiev e em direcção a Moscovo.

Fico contesta as sanções da UE à Rússia e duvida da força militar da Ucrânia contra as forças russas. Ele pretende aproveitar a adesão da Eslováquia à OTAN como uma barreira contra a adesão da Ucrânia à aliança. Esta mudança poderá desviar a Eslováquia do seu caminho democrático, seguindo a Hungria sob o primeiro-ministro Viktor Orban ou a Polónia sob o partido Lei e Justiça.

A fé pública na democracia liberal registou um maior declínio na Eslováquia em comparação com outras regiões que se libertaram do controlo soviético há anos atrás. Um inquérito recente revelou que mais de metade dos inquiridos eslovacos culpam o Ocidente ou a Ucrânia pela guerra, enquanto uma percentagem igual considera a América uma ameaça à segurança.

CHOQUE DA CÚPULA DO G20: Líderes globais atacam a invasão da Ucrânia e iniciam NOVA Aliança de Biocombustíveis

CHOQUE DA CÚPULA DO G20: Líderes globais atacam a invasão da Ucrânia e iniciam NOVA Aliança de Biocombustíveis

- O segundo dia da Cimeira do G20 em Nova Deli, na Índia, terminou com uma poderosa declaração conjunta. Os líderes mundiais uniram-se para condenar a invasão da Ucrânia. Embora a Rússia e a China tenham objetado, o consenso foi alcançado sem nomear explicitamente a Rússia.

A declaração dizia: “Nós… saudamos todas as iniciativas relevantes e construtivas que apoiam uma paz abrangente, justa e duradoura na Ucrânia”. A declaração sublinhou que nenhum Estado deve usar a força para violar a integridade territorial ou a independência política de outro.

O Presidente Joe Biden renovou o seu impulso para a adesão permanente da União Africana ao G20. O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, recebeu calorosamente o presidente das Comores, Azali Assoumani, na cimeira. Num movimento histórico, Biden juntou-se a Modi e outros líderes mundiais para dar início à Aliança Global de Biocombustíveis.

Esta aliança visa garantir o fornecimento de biocombustíveis, garantindo simultaneamente a acessibilidade e a produção sustentável. A Casa Branca anunciou esta iniciativa como parte de um compromisso partilhado em prol de combustíveis mais limpos e de alcançar os objectivos globais de descarbonização.

Chefe da Wagner, Yevgeny Prigozhin, CONFIRMADO morto com resultados de DNA

- De acordo com os resultados dos testes genéticos nos dez corpos encontrados no local, o chefe do Wagner, Yevgeny Prigozhin, foi confirmado como morto pelo Comitê de Investigação da Rússia após um acidente de avião perto de Moscou.

Putin exige juramento de lealdade dos mercenários de Wagner

- O presidente Vladimir Putin exigiu um juramento de lealdade ao Estado russo por parte de todos os funcionários da Wagner e de outros empreiteiros militares privados russos envolvidos na Ucrânia. O decreto imediato seguiu-se a um incidente em que os líderes do Wagner foram presumivelmente mortos num acidente de avião.

Putin 'lamenta' perda do chefe Wagner, Prigozhin, após acidente de avião

- Vladimir Putin expressou as suas condolências à família do chefe do Wagner, Yevgeny Prigozhin, que liderou um motim contra Putin em junho e agora é dado como morto num acidente de avião a norte de Moscovo. Reconhecendo o talento de Prigozhin, Putin observou que o relacionamento deles remonta à década de 1990. Este acidente custou tragicamente a vida de todos os dez passageiros a bordo.

China visa a expansão do BRICS para DESAFIAR o G7

- A China está a exortar o bloco BRICS, que inclui o Brasil, a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul, a rivalizar com o G7, especialmente numa altura em que a cimeira de Joanesburgo testemunha a maior expansão proposta em mais de uma década. O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, convocou mais de 60 líderes mundiais para a mesa, com 23 países manifestando interesse em aderir ao grupo.

Reino Unido visa a máquina de guerra de Putin com 25 novas SANÇÕES

- O secretário de Relações Exteriores, James Cleverly, anunciou 25 novas sanções hoje, com o objetivo de impedir o acesso de Putin a equipamentos militares estrangeiros cruciais para a guerra em andamento da Rússia na Ucrânia. Esta ação ousada tem como alvo indivíduos e empresas na Turquia, Dubai, Eslováquia e Suíça que estão reforçando os esforços de guerra da Rússia.

Ucrânia interrompe conspiração de ASSASSINATO contra o presidente Zelenskyy

- O serviço de segurança da Ucrânia anunciou na segunda-feira que deteve uma mulher que compartilhava inteligência com a Rússia em uma conspiração para assassinar o presidente Volodymyr Zelenskyy. O informante estava preparando um ataque aéreo inimigo na região de Mykolaiv durante uma recente visita de Zelenskyy.

Rússia ACUSA Ucrânia de espelhar as táticas do 9 de setembro em ataques repetidos em Moscou

- A Rússia acusou duramente a Ucrânia de usar métodos terroristas semelhantes aos ataques às Torres Gêmeas de 9 de setembro, após um suposto ataque de drones a um prédio de Moscou pela segunda vez em três dias. No fim de semana, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, alertou que a guerra estava “voltando gradualmente ao território russo”, mas não reivindicou a responsabilidade pelos ataques.

Putin ABERTO a negociações de paz na Ucrânia em meio a ataque de drones em Moscou

- O presidente russo, Vladimir Putin, indicou a disposição de considerar negociações de paz sobre a crise na Ucrânia. Depois de se encontrar com líderes africanos em São Petersburgo, Putin sugeriu que iniciativas africanas e chinesas poderiam ajudar a orientar o processo de paz. No entanto, ele também afirmou que um cessar-fogo não seria possível enquanto o exército ucraniano permanecesse agressivo.

Exportações de defesa do Japão

O Japão está ARMANDO a Ucrânia? A proposta do primeiro-ministro Kishida acende especulações em meio ao renascimento da indústria de defesa

- O primeiro-ministro Fumio Kishida, do Japão, discutiu a possibilidade de fornecer tecnologia de defesa a outros países, levando muitos a especular que o Japão está considerando fornecer armas letais à Ucrânia.

Em reunião realizada terça-feira, foi proposta a ideia de fornecer tecnologia e equipamentos de defesa para outros países. A intenção é dar novo fôlego à indústria de defesa do Japão, atualmente definhando devido a uma proibição de exportação que torna a pesquisa e o desenvolvimento não lucrativos.

Reunião do Conselho Ucrânia-OTAN marcada para quarta-feira, anuncia Zelensky

- O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, anunciou em um vídeo de domingo que uma reunião crítica com o Conselho OTAN-Ucrânia ocorrerá nesta quarta-feira. O anúncio ocorre logo após a saída da Rússia de um acordo de um ano que supervisiona as exportações de grãos dos portos ucranianos.

Casa Branca confirma uso EFICAZ pela Ucrânia de munições CLUSTER fornecidas pelos EUA

- A Casa Branca confirma que a Ucrânia está efetivamente utilizando munições cluster fornecidas pelos EUA contra as forças russas. O porta-voz da segurança nacional, John Kirby, verificou seu uso, citando impactos nas formações e manobras de defesa russas. Apesar de ter sido banido por mais de 100 nações, a Ucrânia prometeu que essas armas terão como alvo as concentrações das tropas de Putin, não o território russo.

Reino Unido refuta alegação da Rússia de convocar diplomata britânico em meio a tensões crescentes

- Ao contrário da declaração do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, o Reino Unido afirma que seu encarregado de negócios interino em Moscou, Tom Dodd, não foi convocado. O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido classifica a reunião como um evento planejado, realizado a pedido deles, de acordo com a prática diplomática padrão.

Putin se retira da cúpula do BRICS em meio a temores de prisão

- Vladimir Putin decidiu renunciar à próxima cúpula do BRICS na África do Sul em meio a crescentes preocupações sobre uma possível prisão por supostos crimes de guerra na Ucrânia. Depois de se envolver em várias discussões com o Kremlin, o gabinete presidencial da África do Sul confirmou esta decisão. Como membro do Tribunal Penal Internacional (TPI), a África do Sul pode ser obrigada a facilitar a prisão de Putin.

Explosão da ponte da Crimeia

Rússia ACUSA Ucrânia de ataque de drones na ponte da Crimeia

- O Comitê Antiterrorista da Rússia alega que drones ucranianos na superfície da água levaram às explosões relatadas na ponte que liga a Crimeia à Rússia. O Comitê atribuiu o ataque a “serviços especiais” ucranianos e anunciou o início de uma investigação criminal.

Apesar dessas alegações, a Ucrânia nega responsabilidade, insinuando uma potencial provocação russa.

Ucrânia para se juntar à OTAN

OTAN promete caminho para a Ucrânia, mas o momento ainda não está claro

- A OTAN declarou que a Ucrânia pode se juntar à aliança “quando os aliados concordarem e as condições forem atendidas”. O presidente Volodymyr Zelensky expressou frustração com a ausência de um cronograma concreto para a entrada de seu país, sugerindo que isso pode se tornar uma moeda de troca nas negociações com a Rússia.

EUA enviam bombas de fragmentação para a Ucrânia

Aliados indignados com a decisão controversa de Biden de fornecer bombas CLUSTER à Ucrânia

- A decisão dos EUA de fornecer bombas de fragmentação à Ucrânia causou inquietação internacional. Na sexta-feira, o presidente Joe Biden a reconheceu como uma “decisão muito difícil”. Aliados como Reino Unido, Canadá e Espanha manifestaram oposição ao uso de armas. Mais de 100 países condenam as bombas de fragmentação devido aos danos indiscriminados que podem causar aos civis, mesmo anos após o fim do conflito.

Chefe do Grupo Wagner está na RÚSSIA, diz Lukashenko, líder da Bielorrússia

- Yevgeny Prigozhin, chefe do Grupo Wagner e recentemente envolvido em uma breve rebelião na Rússia, está supostamente em São Petersburgo, Rússia, não em Belarus. Esta atualização vem do líder da Bielorrússia, Alexander Lukashenko.

Trump diz que Putin está 'enfraquecido' por motim fracassado

- O ex-presidente dos EUA e principal candidato republicano, Donald Trump, acredita que Vladimir Putin está vulnerável após o motim fracassado do Grupo Wagner na Rússia. Ele exortou os EUA a mediar a paz entre a Rússia e a Ucrânia, dizendo: “Quero que as pessoas parem de morrer por causa dessa guerra ridícula”, durante uma entrevista por telefone.

Retiros do Grupo Wagner

Wagner Leader INVERTE Curso e interrompe avanço em Moscou

- Yevgeny Prigozhin, chefe do Grupo Wagner, cancelou o avanço de suas tropas em direção a Moscou. Após conversas com o líder bielorrusso Alexander Lukashenko, Prigozhin disse que seus combatentes retornariam aos campos na Ucrânia, evitando “derramar sangue russo”. Essa reversão ocorreu horas depois de ele ter incitado a rebelião contra o exército russo.

Ramaphosa a Putin: FIM da Guerra da Ucrânia e RETORNO DAS CRIANÇAS

- Em uma recente missão de paz em São Petersburgo, o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, pediu a Vladimir Putin que ponha fim à guerra na Ucrânia. Além disso, ele pediu o retorno dos prisioneiros de guerra e das crianças realocadas pela Rússia. O último pedido ocorre em meio a acusações do Tribunal Penal Internacional de crimes de guerra contra Putin pela transferência forçada de centenas de crianças ucranianas, uma ação que Putin afirma ter sido protetora.

Presidente sul-africano enfrenta pressão para prender Putin em meio a mandado de prisão do TPI

- O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, está sob pressão para “prender” o líder russo, Vladimir Putin, se ele comparecer à próxima cúpula do BRICS em Joanesburgo. Outdoors digitais dizendo “prender Putin”, patrocinados pela organização de campanha global Avaaz, foram vistos ao longo da rodovia sul-africana em Centurion.

Volodymyr Zelensky queria que a Ucrânia ocupasse o território russo

- De acordo com informações vazadas da inteligência dos EUA, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky queria enviar tropas para ocupar aldeias russas. O vazamento também revelou que Zelensky considerou lançar um ataque a um importante oleoduto húngaro.

Ucrânia nega ter atacado Moscou ou Putin com drone

- O presidente da Ucrânia, Zelensky, nega envolvimento em um suposto ataque de drones ao Kremlin, que a Rússia afirma ter sido uma tentativa de assassinato do presidente Putin. A Rússia relata que dois drones foram derrubados e ameaça retaliar quando necessário.

China diz que NÃO VAI adicionar 'combustível ao fogo' na Ucrânia

- O presidente chinês, Xi Jinping, assegurou ao presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, que a China não agravará a situação na Ucrânia e disse que é hora de “resolver a crise politicamente”.

Suspeito preso por vazamento de informações classificadas relacionadas à RÚSSIA

- O FBI identificou Jack Teixeira, membro da Guarda Nacional da Força Aérea de Massachusetts, como suspeito de vazar documentos militares classificados. Os documentos vazados incluem um boato de que o presidente russo, Vladimir Putin, está passando por quimioterapia.

Seta para baixo vermelha

Vídeo

UCRÂNIA ATINGE FORTE: Instalações petrolíferas na Rússia sob ataque, tensões fronteiriças agitam o Kremlin

- Drones ucranianos de longo alcance atingiram duas instalações petrolíferas na Rússia na terça-feira. Esta medida ousada demonstra a evolução das capacidades tecnológicas da Ucrânia. O ataque ocorre no momento em que o conflito entra no seu terceiro ano e poucos dias antes das eleições presidenciais na Rússia. Abrangeu oito regiões da Rússia, desafiando a afirmação do Presidente Vladimir Putin de que a vida na Rússia não é afectada pela guerra.

Autoridades russas relataram uma incursão fronteiriça por opositores do Kremlin baseados na Ucrânia, provocando ansiedade numa região fronteiriça. O Ministério da Defesa russo afirmou que 234 combatentes foram mortos ao repelir a incursão. Eles atribuíram a culpa deste ataque ao que chamam de “regime de Kiev” e “formações terroristas da Ucrânia”, afirmando que sete tanques e cinco veículos blindados foram perdidos pelos atacantes.

Na terça-feira, os relatos de escaramuças fronteiriças não eram claros devido a relatos conflitantes de ambos os lados. Soldados que afirmam ser voluntários russos que lutam pela Ucrânia disseram ter atravessado o território russo. Estes grupos divulgaram declarações e vídeos nas redes sociais expressando a sua esperança numa “Rússia livre da ditadura de Putin”. No entanto, estas alegações não foram verificadas de forma independente.

mais Vídeos